Saltar para o conteúdo principal
Versão: v20

Descrição de arquivos de histórico

Aplicações 4D podem gerar vários arquivos de histórico ou log que são úteis para depuração e otimizar sua execução. Os históricos são normalmente iniciados ou interrompidos utilizando os selectores dos comandos SET DATABASE PARAMETER, WEB SET OPTION, ou HTTP SET OPTION e são armazenados na pasta Logs do projeto.

Informação gravada precisa ser analisada para detectar e corrigir os problemas. Esta seção oferece uma descrição detalhada dos arquivos de log abaixo:

Nota: quando um arquivo de histórico for gerado seja em 4D Server ou em cliente remoto, a palavra "Server" é adicionada ao nome do arquivo do lado servidor, por exemplo "4DRequestsLogServer.txt"

Arquivos de Histórico compartilham alguns campos para que possa estabelecer uma cronologia e fazer conexões entre entradas quando depurar:

  • sequence_number: esse número é unico entre todos os arquivos de histórico e é aumentado a cada nova entrada qualquer que seja o arquivo de log, para que possa saber a sequência exata das operações.
  • connection_uuid: para qualquer processo 4D criado em um cliente 4D que conecte a u m servidor, essa conexão UUID é registrada tanto no servior quanto no lado do cliente. Permite que facilmente identifique o cliente remoto que lança cada processo.

4DRequestsLog.txt

Esses arquivos de histórico gravam petições normais realizadas pela máquina 4D Server ou a máquina remota 4D que executaram o comando (excluindo petições Web).

Como iniciar esse log:

  • no servidor:
SET DATABASE PARAMETER(4D Server log recording;1)
//lado servidor
  • em um cliente:
SET DATABASE PARAMETER(Client Log Recording;1)
//lado remoto

Esta declaração também começa o arquivo de histórico 4DRequestsLog.txt.

Cabeçalhos

Este arquivo começa com os cabeçalhos abaixo:

  • Identificador de sessão de histórico
  • Hostname do servidor que hospeda a aplicação
  • Nome login Usuário: login do SO do usuário que roda a aplicação 4D no servidor.

Conteúdos

Para cada petição, os campos abaixo estão logados:

Campo nomeDescrição
sequence_numberNúmero de operação único e sequencial da sessão de histórico
timeData e hora usando formato ISO 8601: 'YYYY-MM-DDTHH:MM:SS.mmm'
systemidID de sistema
componenteAssinatura de componente (por exemplo '4SQLS' ou 'dbmg')
process_info_index Corresponds to the "index" field in 4DRequestsLog_ProcessInfo.txt log, and permits linking a request to a process.
requestID do pedido C/S ou ORDA ou cadeia de mensagens para pedidos SQL, ou mensagens LOG EVENT
bytes_inNúmero de bytes recebidos
bytes_outNúmero de bytes enviados
server_duration | exec_durationDepende de onde o histórico for gerado:
  • server_duration se for gerado no cliente - tempo que levou em microssegundos para o servidor processar a petição e retornar a resposta. B a F na imagem abaixo OU
  • exec_duration se gerado no servidor - tempo que levou em microssegundos para o servidor processar a petição. B a E na imagem abaixo.
  • write_durationTempo que levou em microssegundos para enviar:
  • a petição (quando rodar no cliente). A a B na imagem abaixo.
  • Resposta (quando rodar no servidor). E a F na imagem abaixo.
  • task_kindPreemptivo ou cooperativo (respectivamente 'p' ou 'c')
    rttTempo estimado em microssegundos para o cliente enviar a petição e o servidor para reconhecê-la. A a D e E a H na imagem abaixo.
  • Só medido quando usar a capa de rede ServerNet, retorna 0 se usado com capa de rede legado.
  • Para versões de Windows anteriores a Windows 10 ou Windows Server 2016, a chamada retorna 0.
  • extraInformações adicionais relacionadas com o contexto, por exemplo, nome da classe de dados e/ou nome do atributo no caso de um pedido ORDA

    Fluxo de petição:

    4DRequestsLog_ProcessInfo.txt

    Este arquivo de histórico registra a informação em cada processo criado na máquina 4D Server ou na máquina remota 4D que executa o comando (excluindo petições Web).

    Como iniciar esse log:

    • no servidor:
    SET DATABASE PARAMETER(4D Server log recording;1) //lado servidor
    • em um cliente:
    SET DATABASE PARAMETER(Client Log Recording;1) //lado remoto

    Esta declaração também começa um arquivo de histórico 4DRequestsLog_ProcessInfo.txt.

    Cabeçalhos

    Este arquivo começa com os cabeçalhos abaixo:

    • Identificador de sessão de histórico
    • Hostname do servidor que hospeda a aplicação
    • Nome login Usuário: login do SO do usuário que roda a aplicação 4D no servidor.

    Conteúdos

    Para cada processo, os campos abaixo são registrados:

    Campo nomeDescrição
    sequence_numberNúmero de operação único e sequencial da sessão de histórico
    timeHora e data usando o formato ISO 8601 format: "YYYY-MM-DDTHH:MM:SS.mmm"
    process_info_indexNúmero de processo único e sequencial
    CDB4DBaseContextDB4D contexto de componente database UUID
    systemidID de sistema
    server_process_idID de processo no servidor
    remote_process_idId de processo no cliente
    process_nameNome de processo
    cIDIdentificador de conexão 4D
    uIDIdentificador de Cliente 4D
    IP ClientIPv4/IPv6アドレス
    host_nameHostname do cliente
    user_nameNome de login de usuário no cliente
    connection_uuidIdentificador UUID da conexão de processo
    server_process_unique_idID de Processo único em Servidor

    HTTPDebugLog.txt

    Este arquivo registra cada petição HTTP e cada resposta em modo raw (não processado). Petições inteiras, incluindo cabeçalhos, são registradas; opcionalmente, partes do corpo podem ser registradas também.

    Como iniciar esse log:




    WEB SET OPTION(Web debug log;wdl enable without body)
    //outros valores estão disponíveis

    Os campos abaixo são registrados tanto para Request quanto para Response:

    Campo nomeDescrição
    SocketIDID da socked usada para comunicação
    PeerIPEndereço IPv4 do host (cliente)
    PeerPortPorta usada por host (cliente)
    TimeStampTimestamp em milisegundos (desde início sistema)
    ConnectionIDConnection UUID (UUID de VTCPSocket usada para comunicação)
    SequenceNumberNúmero de operação único e sequencial da sessão de histórico

    4DHTTPClientLog.txt

    Este arquivo de histórico registra o tráfego HTTP que passa pelo cliente HTTP do 4D. Whole requests and responses, including headers, are logged; optionally, body parts can be logged as well.

    Como iniciar esse log:


    HTTP SET OPTION(HTTP client log; HTTP enable log with all body parts)
    //outros valores estão disponíveis

    Os campos abaixo são registrados tanto para Request quanto para Response:

    Campo nomeDescrição
    SequenceIDNúmero de operação único e sequencial da sessão de histórico
    ConnectionIDIdentificador UUID da conexão de processo
    LocalIPEndereço IP do Cliente
    PeerIPEndereço IP do servidor
    TimeStampTimestamp (ms) at the time the request is sent or the response is fully received
    ElapsedTimeInMs(response only) Difference with the request timestamp

    Depending on log options, various other fields can also be logged.

    • Para solicitação: linha de solicitação, cabeçalhos, corpo da solicitação
    • Para resposta: linha de estado, cabeçalhos, corpo da resposta (não compactado), se houver

    4DDebugLog.txt (standard)

    Esses registros de histórico gravam cada evento que ocorreu ao nível de programação de 4D. Modo padrão oferece uma vista básica de eventos.

    Como iniciar esse log:

    SET DATABASE PARAMETER(Debug Log Recording;2)  
    //standard, all processes SET DATABASE PARAMETER(Current process debug log recording;2)
    //standard, current process only

    Os campos abaixo estão registrados para cada evento:

    Coluna #Descrição
    1Número de operação único e sequencial da sessão de histórico
    2Data e hora em formato ISO 8601 (YYYY-MM-DDThh:mm:ss.mmm)
    3ID de processo (p=xx) e ID de processo único (puid=xx)
    4Nível de stack
    5Pode ser Command Name/ Method Name/Message/ Task Start Stop info/Plugin Name, event ou Callback/Connection UUID
    6Tempo que leva para a operação de histórico em milissegundos

    4DDebugLog.txt (tabular)

    Esse arquivo de histórico registra cada evento que ocorrer ao nível de programação 4D em um formato tabulado e compacto que inclui informação adicional (comparado ao formato padrão).

    Como iniciar esse log:

    SET DATABASE PARAMETER(Debug Log Recording;2+4)  
    //extended tabbed format, all processes SET DATABASE PARAMETER(Current process debug log recording;2+4)
    //extended, current process only

    Os campos abaixo estão registrados para cada evento:

    Coluna #Campo nomeDescrição
    1sequence_numberNúmero de operação único e sequencial da sessão de histórico
    2timeData e hora em formato ISO 8601 (YYYY-MM-DDThh:mm:ss.mmm)
    3ProcessIDProcess ID
    4unique_processIDID de processo
    5stack_levelNível de stack
    6operation_typeTipo operação histórico. Esse valor pode ser um valor absoluto:

    1. Comando
    2. Método (método de projeto, método de banco de dados, etc)
    3. Mensagem (enviada só pelo comando LOG EVENT)
    4. PluginMessage
    5. PluginEvent
    6. PluginCommand
    7. PluginCallback
    8. Tarefa
    9. Método membro (método anexado à coleção ou a um objeto)

    Quando fechar um nível de stack, as colunas operation_type, operation e operation_parameters tem o mesmo valor que o nível de stack registrado na coluna stack_opening_sequence_number column. Por exemplo:

    1. 121 15:16:50:777 5 8 1 2 CallMethod Parameters 0
    2. 122 15:16:50:777 5 8 2 1 283 0
    3. 123 15:16:50:777 5 8 2 1 283 0 122 3
    4. 124 15:16:50:777 5 8 1 2 CallMethod Parameters 0 121 61

    A primeira e segunda linha abrem o nível de stack, a terceira e quarta linha fecham o nível de stack. Valores nas colunas 6, 7 e 8 são repetidos na linha do nível de stack ao fechar. A coluna 10 contém os números de sequência de abertura do nível de stack, ou seja, 122 para a terceira linha e 121 para a quarta.
    7operationPode representar (dependendo do tipo da operação):
  • uma ID de comando de linguagem (quando tipo =1)
  • um nome de método (quando tipo =2)
  • uma combinação de pluginIndex;pluginCommand (quando tipo=4, 5, 6 ou 7). Pode conter algo como '3;2'
  • uma UUID task connection (quando tipo = 8)
  • 8operation_parametersParâmetros passados a comandos, métodos ou plugins
    9form_eventEvento formulário se houver: vazio em outros casos (suponha que a coluna é usada quando o código for executado em um método formulário ou método objeto)
    10stack_opening_sequence_numberSó para níveis stack fechamento: número sequencia do nível correspondente de abertura de stack
    11stack_level_execution_timeSó para níveis de stack de fechamento: tempo decorrido em microssegundos da ação de histórico atual; só para os níveis de stack de fechamento (ver décima coluna em linhas 123 e 124 no histórico acima)

    4DDiagnosticLog.txt

    Esse arquivo registra vários eventos relacionados à operação de aplicação e sua leitura humana. Pode incluir informação personalizada nesse arquivo usando o comando LOG EVENT

    Como iniciar esse log:

     SET DATABASE PARAMETER(Diagnostic log recording;1) //começa o registro

    Os campos abaixo estão registrados para cada evento:

    Nome de campoDescrição
    sequenceNumberNúmero de operação único e sequencial da sessão de histórico
    timestampData e hora em formato ISO 8601 (YYYY-MM-DDThh:mm:ss.mmm)
    loggerIDOpcional
    componentSignatureOpcional - assinatura interna de componente
    messageLevelInformação, Aviso, Erro
    messageDescrição da entrada de histórico

    Dependendo do evento, vários outros campos podem ser registrados, como task, socket, etc.

    Níveis de registo de diagnóstico

    O arquivo 4DDiagnosticLog.txt pode registar diferentes níveis de mensagens, desde ERROR (mais importante) a TRACE (menos importante). Por predefinição, o nível INFO está definido, o que significa que o arquivo registará apenas eventos importantes, incluindo erros e resultados inesperados (ver abaixo).

    Pode selecionar o nível das mensagens utilizando o seletor Diagnostic log level do comando SET DATABASE PARAMETER, consoante as suas necessidades. Quando se selecciona um nível, os níveis acima (que são mais importantes) são implicitamente seleccionados também. Estão disponíveis os seguintes níveis:

    ParâmetrosDescriçãoQuando seleccionado, inclui
    Log errorUma parte da aplicação não funcionaLog error
    Log warnErro potencial, utilização de uma função obsoleta, má utilização, situação indesejável ou inesperadaLog error, Log warn
    Log infoNível padrão - Evento de aplicação importanteLog error, Log warn, Log info
    Log debugDetalhe do fluxo de aplicação (para serviços técnicos 4D)Log error, Log warn, Log info, Log debug
    Log traceOutras informações internas (para serviços técnicos 4D)Log error, Log warn, Log info, Log debug, Log trace

    Exemplo:

    SET DATABASE PARAMETER (Diagnostic log recording; 1)
    SET DATABASE PARAMETER (Diagnostic log level; Log trace)

    4DSMTPLog.txt, 4DPOP3Log.txt, e 4DIMAPLog.txt

    Esses históricos registram cada troca entre a aplicação 4D e o servidor de mail (SMTP, POP3, IMAP) que foram iniciados pelos comandos abaixo:

    Os arquivos de histórico podem ser produzidos em duas versões:

    • uma versão comum:

      • chamada 4DSMTPLog.txt, 4DPOP3Log.txt, ou 4DIMAPLog.txt
      • sem anexos
      • usa um arquivo circular automático que é reciclado a cada 10MB
      • para depurações comuns

      Para começar esse histórico:

      SET DATABASE PARAMETER(SMTP Log;1) //start SMTP log 
      SET DATABASE PARAMETER(POP3 Log;1) //start POP3 log
      SET DATABASE PARAMETER(IMAP Log;1) //start IMAP log

    4D Server: Clique no botão Start Request and Debug Logs na página Maintenance da janela de administração de 4D Server.

    A rota do histórico é retornada pelo comando Get 4D file.

    • uma versão estendida:

      • attachment(s) included no automatic recycling
      • nome personalizado
      • guardado para propósitos específicos

      Para começar esse histórico:

      $server:=New object
      ...
      //SMTP
      $server.logFile:="MySMTPAuthLog.txt"
      $transporter:=SMTP New transporter($server)

      // POP3
      $server.logFile:="MyPOP3AuthLog.txt"
      $transporter:=POP3 New transporter($server)

      //IMAP
      $server.logFile:="MyIMAPAuthLog.txt"
      $transporter:=IMAP New transporter($server)

    Conteúdos

    Para cada petição, os campos abaixo estão logados:

    Coluna #Descrição
    1Número de operação único e sequencial da sessão de histórico
    2Data e hora em formato RFC3339 (yyyy-mm-ddThh:mm:ss.ms)
    3ID de 4D Process
    4ID de processo
    5
    • Informação de início de SMTP,POP3, ou sessão IMAP, incluindo nome de servidor host, número de porta TCP usada para conectar com servidor SMTP,POP3, ou IMAP e status de TLS, ou
    • troca de dados entre servidor e cliente, começando com "S <" (dados recebidos de servidor SMTP,POP3, ou IMAP) ou "C >" (dados enviados pelo cliente SMTP,POP3, ou IMAP client): lista de modo autenticação enviada pelo servidor e seleciona modo autenticação, qualquer erro relatado por servidor SMTP,POP3, ou IMAP, informação de cabeçalho do mail enviado (apenas na versão normal) e se o mail foi salvo no servidor, ou
    • Informação de fechamento de sessão de SMPT, POP3 ou IMAP.

    Pedidos ORDA

    Os registos de pedidos ORDA podem registar cada pedido ORDA e a resposta do servidor. Estão disponíveis dois registos de pedidos ORDA:

    • um registo de pedidos ORDA do lado do cliente, em formato .txt
    • um registo de pedidos ORDA do lado do servidor, em formato .jsonl

    Do lado do cliente

    O registo ORDA do lado do cliente regista cada pedido ORDA enviado a partir de uma máquina remota. Pode direcionar as informações de registo para a memória ou para um arquivo .txt no disco da máquina remota. O nome e rota desse arquivo pode ser escolhido.

    Como iniciar esse log:

        //numa máquina remota
    SET DATABASE PARAMETER(Client Log Recording;1)
    ds.startRequestLog(File("/PACKAGE/Logs/ordaLog.txt"))
    //pode também ser enviado para a memória
    SET DATABASE PARAMETER(Client Log Recording;0)
    nota

    O acionamento do lado do cliente 4DRequestsLog.txt utilizando SET DATABASE PARAMETER não é obrigatório. No entanto, é necessário se pretender registar o campo único sequenceNumber .

    Os campos abaixo são registrados para cada petição:

    Campo nomeDescriçãoExemplo
    sequenceNumberNúmero de operação único e sequencial da sessão de histórico104
    urlSolicitar URL"rest/Persons(30001)"
    startTimeData e hora de início utilizando o formato ISO 8601"2019-05-28T08:25:12.346Z"
    endTimeData e hora final usando formato ISO 8601"2019-05-28T08:25:12.371Z"
    durationDuração do processamento do cliente em milissegundos (ms)25
    responseObjeto resposta servidor{"status":200,"body":{"__entityModel":"Persons",[...]

    Exemplo

    Eis um exemplo de um registo de ficheiro de registo ORDA do lado do cliente:

        {
    "sequenceNumber": 7880,
    "url": "rest/Employees/$entityset/F910C2E4A2EE6B43BBEE74A0A4F68E5A/Salary?$compute='sum'&$progress4Dinfo='D0706F1E77D4F24985BE4DDE9FFA1739'",
    "startTime": "2023-05-15T10:43:39.400Z",
    "endTime": "2023-05-15T10:43:39.419Z",
    "duration": 19,
    "response": {
    "status": 200,
    "body": 75651
    }
    }

    Do lado do servidor

    O registo ORDA do lado do servidor regista cada pedido ORDA processado pelo servidor, bem como a resposta do servidor (opcional). As informações de registo são guardadas num arquivo .jsonl no disco da máquina do servidor (por predefinição, ordaRequests.jsonl).

    Como iniciar esse log:

        //no servidor
    SET DATABASE PARAMETER(4D Server log recording;1)
    ds.startRequestLog(File("/PACKAGE/Logs/ordaRequests.jsonl");srl log response without body)
    //srl... O parâmetro é opcional
    SET DATABASE PARAMETER(4D Server log recording;0)
    nota

    O acionamento do servidor 4DRequestsLog.txt utilizando SET DATABASE PARAMETER não é obrigatório. No entanto, é necessário se pretender registar os campos únicos sequenceNumber e duration .

    Os campos abaixo são registrados para cada petição:

    Campo nomeDescriçãoExemplo
    sequenceNumberNúmero de operação único e sequencial da sessão de histórico104
    urlSolicitar URL"rest/Persons(30001)"
    startTimeData e hora de início utilizando o formato ISO 8601"2019-05-28T08:25:12.346Z"
    durationDuração do processamento do servidor em microssegundos (µ)2500
    responseObjeto de resposta do servidor, pode ser configurado em .startRequestLog(){"status":200,"body":{"__entityModel":"Persons",[...]
    ipAddressEndereço IP do usuário"192.168.1.5"
    userNameNome do usuário 4D"henry"
    systemUserNameNome de login do usuário na máquina"hsmith"
    machineNameNome da máquina do utilizador"PC of Henry Smith"

    Exemplo

    Eis um exemplo de um registo de registo ORDA do lado do servidor:

       {
    "url": "rest/Employees/$entityset/F910C2E4A2EE6B43BBEE74A0A4F68E5A/Salary?$compute='sum'&$progress4Dinfo='D0706F1E77D4F24985BE4DDE9FFA1739'",
    "systemUserName": "Admin",
    "userName": "Designer",
    "machineName": "DESKTOP-QSK9738",
    "taskID": 5,
    "taskName": "P_1",
    "startTime": "2023-05-15T11:43:39.401",
    "response": {
    "status": 200,
    "body": 75651
    },
    "sequenceNumber": 7008,
    "duration": 240
    }

    Utilizar um ficheiro de configuração de log

    É possível utilizar um arquivo de configuração de registo **** para gerir facilmente a gravação de registos num ambiente de produção. Este arquivo é pré-configurado pelo programador. Normalmente, pode ser enviado aos clientes para que estes apenas tenham de o selecionar ou copiar para uma pasta local. Uma vez ativado, o arquivo de configuração de registos desencadeia a gravação de registos específicos.

    Como activar o arquivo

    Existem várias formas de ativar o arquivo de configuração do registo, dependendo da sua configuração:

    • Servidor 4D com interface: pode abrir a página Manutenção e clicar no botão Carregar arquivo de configuração dos registos , depois selecionar o arquivo. Neste caso, pode utilizar qualquer nome para o arquivo de configuração. É imediatamente ativado no servidor.
    • um projeto interpretado ou compilado: o arquivo deve ter o nome logConfig.json e ser copiado para a pasta Settings do projeto (situada ao mesmo nível que a pasta Project). É ativado no arranque do projeto (apenas no servidor em cliente/servidor).
    • uma aplicação construída: o arquivo deve ter o nome logConfig.json e ser copiado para a pasta seguinte:
      • Windows: Users\[userName]\AppData\Roaming\[application]
      • macOS: /Users/[userName]/Library/ApplicationSupport/[application]
    • todos os projetos com um 4D autônomo ou remoto: o arquivo deve chamar-se logConfig.json e ser copiado para a pasta seguinte:
      • Windows: Users\[userName]\AppData\Roaming\4D
      • macOS: /Users/[userName]/Library/ApplicationSupport/4D
    • todos os projetos com 4D Server: o arquivo deve ser nomeado logConfig.json e copiado para a seguinte pasta:
      • Windows: Users\[userName]\AppData\Roaming\4D Server
      • macOS: /Users/[userName]/Library/ApplicationSupport/4D Server
    nota

    Se um ficheiro logConfig.json estiver instalado nas pastas Settings e AppData/Library, o arquivo da pasta Settings terá prioridade.

    Descrição do ficheiro JSON

    O arquivo de configuração do registo é um arquivo .json que deve estar em conformidade com o seguinte esquema json:

    {
    "$schema": "http://json-schema.org/draft-07/schema",
    "title": "Logs Configuration File",
    "description": "A file that controls the state of different types of logs in 4D clients and servers",
    "type": "object",
    "properties": {
    "forceConfiguration": {
    "description": "Forcing the logs configuration described in the file ingoring changes coming from code or user interface",
    "type": "boolean",
    "default": true
    },
    "requestLogs": {
    "description": "Configuration for request logs",
    "type": "object",
    "properties": {
    "clientState": {
    "description": "Enable/Disable client request logs (from 0 to N)",
    "type": "integer",
    "minimum": 0
    },
    "serverState": {
    "description": "Enable/Disable server request logs (from 0 to N)",
    "type": "integer",
    "minimum": 0
    }
    }
    },
    "debugLogs": {
    "description": "Configuration for debug logs",
    "type": "object",
    "properties": {
    "commandList": {
    "description": "Commands to log or not log",
    "type": "array",
    "items": {
    "type": "string"
    },
    "minItems": 1,
    "uniqueItems": true
    },
    "state": {
    "description": "integer to specify type of debuglog and options",

    "type": "integer",
    "minimum": 0
    }
    }
    },
    "diagnosticLogs":{
    "description": "Configuration for debug logs",
    "type": "object",
    "properties": {
    "state":{
    "description": "Enable/Disable diagnostic logs 0 or 1 (0 = do not record, 1 = record)",
    "type": "integer",
    "minimum": 0
    },
    "level": {
    "description": "Configure diagnostic logs",
    "type": "integer",
    "minimum": 2,
    "maximum": 6
    }
    }
    },
    "httpDebugLogs": {
    "description": "Configuration for http debug logs",
    "type": "object",
    "properties": {
    "level": {
    "description": "Configure http request logs",
    "type": "integer",
    "minimum": 0,
    "maximum": 7
    },
    "state": {
    "description":

    Exemplo

    Aqui está um exemplo de arquivo de configuração de log:

    {
    "forceLoggingConfiguration": false,
    "requestLogs": {
    "clientState": 1,
    "serverState": 1
    },
    "debugLogs": {
    "commandList":["322","311","112"],
    "state": 4
    },
    "diagnosticLogs":{
    "state" : 1
    },
    "httpDebugLogs": {
    "level": 5,
    "state" : 1
    },
    "POP3Logs": {
    "state" : 1
    },
    "SMTPLogs": {
    "state" : 1
    },
    "IMAPLogs": {
    "state" : 1
    },
    "ORDALogs": {
    "state" : 1,
    "filename": "ORDALog.txt"
    }
    }